08/02/2008

Sean Riley & The Slowriders - Entrevista

Conforme tinhamos dito, aqui temos uma das surpresas que vos tínhamos prometido.

A entrevista com os Sean Riley & The Slowriders inaugurará aquele que será um espaço regular neste blog, destinado a entrevistar as boas bandas da música nacional.

Para quem não conhece os Sean Riley, posso adiantar que eles são um trio conimbricense liderado por Afonso Rodrigues, contando ainda com Bruno Simões e Filipe Costa. Apenas contam com um disco (Farewell) lançado há não muito tempo, mas são já uma das certezas da boa música portuguesa.

Confira agora a entrevista que o Afonso nos concedeu:



SATW - Ao fazermos o nosso trabalho de casa para esta entrevista, um dos problemas com que nos deparámos foi com a falta de informação sobre vocês. Assim sendo, é com alguma pena nossa que não podemos evitar a "tradicional" questão:
Como foi ao certo a génese da banda?

Primeiro comecei por escrever canções sozinho. Acabei por conhecer o Bruno na rádio e mostrei-lhe uma delas. Começámos de imediato a tocar juntos. Mais tarde tornei-me amigo do Filipe que acabou por se juntar a nós.

SATW - Sean Riley & The Slowriders: O nome sugere alguma independência entre os intervenientes do grupo. Foi o “Farewell” apenas um álbum que surgiu dum trabalho conjunto mas pontual, ou será esta uma banda que, quando for futuramente analisada, possuirá, na sua estrutura, os mesmos elementos presentes?

No próximo disco terá em principio os mesmos elementos e, muito provavelmente, mais alguns...

(Passando agora para a música propriamente dita…)

SATW - Reparámos que o vosso álbum é bastante coeso; mantém um estilo muito próprio onde se nota um tom melancólico em perfeita simbiose com o típico folk. The Smiths e Velvet Underground foram duas bandas que encontramos associadas ao vosso nome. Revêem-se em alguma delas, ou, pelo contrário foram "beber" influências a outro lado?

Revejo me sem duvida nos Velvet, e nas suas influências. Não vejo nada na nossa música que possa estar ligado aos Smiths.


SATW – Sendo o iPod um aparelho tão vulgarizado nos dias de hoje, que músicas passam nos vossos?

O meu iPod é um shuffle, tem a grande vantagem de nao se ver o que esta a dar, é preciso adivinhar! Na última semana... Melanie Safka, Buffalo Springfield, Amy Winehouse, Entrance, Mississippi John Hurt, The Allstar Project, Nick Cave, etc, etc, etc



SATW - Como banda recente, vêem-se inseridos na geração MySpace, mas, como é óbvio, aliado a esse facto está a inevitável partilha ilegal de ficheiros pela internet. Para vós é algo natural (para se conseguir chegar ao público) ou abominável (seja qual for a situação)?

Acho que é uma situação delicada. Por um lado é óptimo estarmos à distância de um clique de qualquer música no mundo, do presente ou do passado. É óptimo para uma banda como nós que a nossa música possa chegar a países onde o nosso disco provavelmente nunca vai estar à venda. Por outro lado, se toda a gente deixar de comprar discos e se contentar com cds da tdk com uma data de ficheiros importados do emule... vamos ter alguns problemas. Se as editoras deixarem de vender, deixam de investir, o que vai complicar a vida principalmente aos novos artistas, aos que nunca editaram e que não dispõe de capital suficiente para investir numa primeira edição.
Não são os Radihead que vão sofrer com a quebra/queda da indústria...

SATW- Atendendo à forte essência de algumas das vossas letras…
Tomando como exemplo um trecho da "Harry Rivers": “Harry loves drinking, Harry loves fishing, spends his days mostly wishing”.
Este Harry é um exemplo que engloba os sonhadores em geral? Encontrou ou encontrará ele o que deseja (ou vai desejando)?

Os sonhadores padecem da grave condição de viverem o futuro e não o presente. Isso origina um mal-estar, um peso, que por vezes, numa fase inicial, é difícil de identificar.

SATW- Para terminar, mas apenas por hoje porque vamos continuar a acompanhar-vos, gostaríamos de vos questionar acerca de planos futuros. Como será “o dia de amanhã” dos Sean Riley & The Slowriders?

Para já, os planos passam por continuar a promover o Farewell, que é o que temos vindo a fazer desde Outubro. Tocar, tocar, tocar... já estamos com cerca de 30 concertos marcados até Abril, temos a tour com Wraygunn, vamos voltar a Espanha, passar por Inglaterra e em princípio por mais países da Europa. Continuar a desenvolver contactos, e quem sabe conseguir distribuição lá fora do nosso trabalho.

Deixamos aqui um grande Obrigado aos Sean Riley & The Slowriders por nos concederem esta entrevista.

http://www.myspace.com/seanrileymusic

Nota dos autores: Uma vez que realizámos esta entrevista sem termos contacto físico com o entrevistado fez com que não pudéssemos aprofundar alguns temas. Tentaremos completar esta entrevista quando os Sean Riley & Slowriders vierem a Viseu para mais um concerto da sua digressão com os Wraygunn, caso haja oportunidade para tal

5 comentários:

Fred disse...

Curta, mas boa entrevista.
Vi-os ontem no TAGV em Coimbra, e só confirmaram a qualidade do álbum, e ainda lhe deram aquele sabor especial dos concertos ao vivo.
Continuem.

:: ¢åρįťāǾ Řøмằŋ¢ë :: disse...

Ganda CHEEEE

Parabéns pela entrevista, tás no bom caminho!

Agora lembrei-me do 13ªArte e do prazer que tive em colaborar com o Akired. Mas se tudo correr bem, vai haver uma bela novidade aidna antes de Junho...chamesmo-lhe pausa na pausa.

Abraço
Keep Doin'

Rita Rente disse...

sou um dos votos no tom waits.

Anónimo disse...

Eu podia tê-los visto ontem, ao vivo, em Alcobaça... Mas não!

Indignação.
Boa entrevista.

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!