17/12/2007

A Cor Infinita

Na música, há vários factores a equacionar, entre eles temos: Instrumental; letra; vocal; etc...
Hoje em dia, encontramos bandas com excelentes vozes, instrumentais divinos e letras esplêndidas, no entanto, nem a fusão de todas estas componentes num só grupo consegue equiparar-se a uma banda que jamais será passado e que para além de todas essas características, consegue ter muito mais...
Falo pois claro de: Pink Floyd.
Não por ser a minha banda de eleição, nem tão pouco por os considerar o que de melhor o Mundo teve o privilégio de ouvir.
Formados em 1964 após uma sucessão de distintos nomes como: "Sigma 6"; "The Abdabs" etc, faziam parte da sua estrutura inicial: "Syd Barret" (voz e guitarra); "Bob Klose (guitarra solo); "Nick Mason" (bateria); "Roger Waters (voz e baixo) e "Richard Wright" (teclas e voz), nessa altura, sob a "liderança" de Syd Barret. Bob Klose sai por não se enquadrar na música cada vez mais "rock psicadélico" que Barret proporcionava à formação.
No entanto, Syd Barret, já afectado pelas drogas e acima de tudo, pela extrema genialidade, entra num grave estado mental que o obriga a saír dos palcos e posteriormente a abandonar por completo a banda, deixando para trás as letras que ainda ia compondo. Assim, os Pink Floyd assistem ao começo de uma nova era com a entrada de David Gilmour para o lugar de Barret em 1968.
Não me querendo alongar com datas e factos, acabo muito resumidamente a história dos Pink Floyd.
Depois da Saída de Barret, há uma predominância da parte de Roger Waters que se mostra incompatível com Gilmour, o que levou ao seu abandono da banda, ficando David Gilmour o principal mentor da banda britânica.
Uma forte componente da banda são os espectáculos ao vivo ornamentados por grandes esquemas de luzes, imagens e objectos, dando assim uma forte componente visual a adicionar à poderosíssima sonoridade proporcionada.

Aqui fica a discografia:

Álbuns Originais


Álbuns ao vivo

* Ummagumma – Duplo álbum contendo um disco ao vivo e um disco de estúdio com originais

Compilações




DVD and Video



Feita uma curta apresentação da banda, passo ao que de mais importante há.
A genialidade de Pink Floyd começa desde logo na sua música baseada num rock progressivo, que no entanto é impossível de definir, encontrando-se dentro da mesma, vestígios de Acid, rock psicadélico, blues etc... Tudo isto numa sonoridade que incorpora ainda sons do quotidiano, simples vozes, passos, máquinas, uma banal brisa, explosões e tantos outros sons que fazem parte da nossa realidade. Isto, aliado às letras de intervenção onde constam duras críticas às sociedades contemporâneas e que tocam também temas como a guerra como se pode verificar de forma bastante explícita no álbum: The Final Cut.
Todas estas características fazem de Pink Floyd a lgo transcendente à música. É história, é sentimento, é genialidade, é Vida, é também um toque de loucura na mais pura forma de pequenos grandes sons.
Acrescento sinceramente também que toda esta relevância que dou a Pink Floyd deve-se ao facto de ouvir quase que inconscientemente desde muito pequeno por exclusiva culpa do meu pai. E talvez por isso mesmo, tenho a música de Pink Floyd intrínseca a mim mesmo de uma maneira muito pessoal.
Considero também que a maioria dos álbuns de Pink Floyd não devem ser tratados como uma compilação de músicas, mas sim, como uma espécie de livro que se deve ouvir na devida ordem, à medida que se sente e entende a música...
Assim, mais uma distinção para com as demais bandas de músicas individualizadas, de onde se revelam um ou dois êxitos que acabaram por se extinguir como qualquer hit de modas levianas.


Tenho plena consciência de que fica muito para dizer, mas, é algo que me supera em infinita escala...


Luís Miguel

Agora é a minha vez de deixar um comentário aos fantásticos Pink Floyd, seguindo o exemplo do Leaven em relação aos Metallica.
Visto os Pink Floyd não serem a minha banda preferida, acho que não sou suspeito ao afirmar que a considero a melhor e maior banda de sempre. Estranho isto? Nem por isso. Apesar de Metallica ser a banda que está cá dentro, e de forma subjectica acha-los os melhores, os Pink Floyd têm um peso e uma história que os coloca quase num mundo à parte, onde a comparação se torna absurda. Obras-primas como o Dark Side of The Moon (álbum que aconselho a a ouvir de olhos fechados, deixando a mente absorver cada nota), o já citado The Final Cut ou o sempre actual the Wall "falam" por si sobre a qualidade da banda, e das razões que me levam a classifica-la como a melhor de sempre.
Para quem só os conhece pela canção Another Brick In The Wall (canção essa que pela letra e mensagem servem de "suporte" a este espaço), não desperdicem a oportunidade de conhecer uma banda que não se limita a oferecer-nos uma completa e perfeita harmonia entre vozes, instrumentos e ritmos, mas que em vez disso, nos presenteia com MÚSICA no seu estado mais puro.

4 comentários:

' 2 + 2 = 5 ' disse...

Ainda que tenha muito a conheçer desses grandes Senhores, já compreendo a sua grandiosidade (incomparável).

Bom post.*

Anónimo disse...

Pink Floyd, é a banda que consegue entram em nós, como referiste (LM), ouvir os seus álbuns de olhos fechados e deixar-mos a música envolver nos, é fenomenal, é algo que só Pink Floyd faz (pelo menos a mim).

Quando ouço Pink Floyd, crio o meu mundo, mas um mundo que me é transmitido por esses senhores, penso em coisas de que de outro modo não pensaria, sinto breves arrepios, bem, algo que é muito difícil de explicar.

Foi um bom 'artigo', é sempre bom realçar a grandiosidade dos Pink Floyd.

Parabéns.
Rui.

André Pousadas disse...

Seria útil referir os DVD's bem como EP's da banda.

A acrescentar às compilações:
-"1967: The First Three Singles";
-"Oh By The Way...";
-"The Best Of The Pink Floyd (1970)".

joao rodrigo disse...

magnifico, é a palavra que mais me para neste momento na cabeça. quando li este poste pela primeira vez apenas gostei, talvez pelo facto de nao saber ouvir pink floyd, agora que já sei e que pelo qual agradeço ao Carlos, vejo este poste como uma excelente descricção da realidade, aponto para a ultima parte o mesmo como o mais espectacular. vou uzar este post para me inspirar para um trabalho de ingles pa universidade! abraço e mt pena por este excelente espaço musical ter encerrado (temporariamente espero).